O grupo paulistano Bandanos começou em 2002 como um projeto paralelo de membros vindos de No ViolencePoint Of No Return e Parental Advisory. Ao longo do tempo a formação foi mudando, se estabilizando e conquistando seu espaço - os levando a tocar ao lado de nomes como Circle JerksRatos de PorãoThe HauntedConquest For Death Vitamim X. Em Nobody Brings My Coffin Until I Die (2014), o segundo disco cheio, Crisplatterhead (voz), Marcelo Cyco Papa (guitarra), Hell-der (bateria) e Lauro Metal Hammer (baixo) seguem o caminho crossover que os consagrou. As influências de clássicos dos anos 80 e 90 estão lá, Suicidal TendenciesCryptic SlaughterExcel e DRI são alguns deles. Em Urban Trash Skate Maniacs, eles deixam isso bem explícito citando inclusive nomes do skate punk como JFAThe Faction e Gang Green. As letras, algumas em inglês e outras em português, do Bandanos trazem muito esse lado do estilo de vida, como em Vinyl Addiction e Bay Area Seduction. O álbum foi gravado no Datribo Studios (KrisiunRxDxPxAção DiretaClaustrofobiaHUTT), por CieroAlex Spyke e André Stuchi, com produção, mixagem e masterização em conjunto com a banda. O CD é em formato digipack e a capa é assinada pelo americano Jeff Gaither que já trabalhou com AccüsedHiraxGG AllinMisfitsGuns N’ RosesTestament e Municipal Waste e no encarte cada música ganhou uma ilustração acompanhando as letras (em ambos idiomas), entre os artistas: Daniel Cacciatore (Presto?RHD), Tulio (DFC) e Daniel ETE (MuzzarelasDrakula). [Resenha: Ricardo Tibiu]

Bandanos - Nobody Brings my Coffin Untill i Die - LP

R$70,00
Bandanos - Nobody Brings my Coffin Untill i Die - LP R$70,00
Entregas para o CEP:

Meios de envio

O grupo paulistano Bandanos começou em 2002 como um projeto paralelo de membros vindos de No ViolencePoint Of No Return e Parental Advisory. Ao longo do tempo a formação foi mudando, se estabilizando e conquistando seu espaço - os levando a tocar ao lado de nomes como Circle JerksRatos de PorãoThe HauntedConquest For Death Vitamim X. Em Nobody Brings My Coffin Until I Die (2014), o segundo disco cheio, Crisplatterhead (voz), Marcelo Cyco Papa (guitarra), Hell-der (bateria) e Lauro Metal Hammer (baixo) seguem o caminho crossover que os consagrou. As influências de clássicos dos anos 80 e 90 estão lá, Suicidal TendenciesCryptic SlaughterExcel e DRI são alguns deles. Em Urban Trash Skate Maniacs, eles deixam isso bem explícito citando inclusive nomes do skate punk como JFAThe Faction e Gang Green. As letras, algumas em inglês e outras em português, do Bandanos trazem muito esse lado do estilo de vida, como em Vinyl Addiction e Bay Area Seduction. O álbum foi gravado no Datribo Studios (KrisiunRxDxPxAção DiretaClaustrofobiaHUTT), por CieroAlex Spyke e André Stuchi, com produção, mixagem e masterização em conjunto com a banda. O CD é em formato digipack e a capa é assinada pelo americano Jeff Gaither que já trabalhou com AccüsedHiraxGG AllinMisfitsGuns N’ RosesTestament e Municipal Waste e no encarte cada música ganhou uma ilustração acompanhando as letras (em ambos idiomas), entre os artistas: Daniel Cacciatore (Presto?RHD), Tulio (DFC) e Daniel ETE (MuzzarelasDrakula). [Resenha: Ricardo Tibiu]